Performance

Gateway de pagamento: o que é e como funciona

O gateway de pagamento é um dos pilares da operação de qualquer loja virtual. Saiba mais sobre como essa tecnologia funciona.

Navegue pelo texto

Criei uma loja virtual, e agora? O gateway de pagamento é o próximo passo, pois sem ele não há vendas. Pode haver vitrine, imagens com zoom dos produtos e descrições detalhadas, mas o botão “comprar” não vai funcionar.

Acontece que essa ferramenta de transação não é como um plugin de WordPress, que você escolhe, clica e instala. E eu não estou falando no sentido técnico.

Neste artigo, quero te mostrar a estrutura completa de meios de pagamento necessária para um ecommerce e como funciona um gateway de pagamento, para que você saiba a importância que ele tem. Essa importância não diz respeito apenas à operabilidade do seu e-commerce, mas também a questões de segurança dos dados sensíveis dos clientes.

Para começar, dividiremos o artigo em 3 tópicos: Adquirente, Gateway, Subadquirente. Também falarei sobre os antifraude e chargebacks. Gostou? Então vamos começar.

O que é gateway de pagamento

Gateway de pagamento é o sistema que visiabiliza a transação financeira feita em um e-commerce. Ele reúne as informações de pagamento fornecidas pelo cliente e se comunica com as devidas instituições financeiras, de quem recebe o valor para repassar ao vendedor.

Não preciso nem dizer que é o elemento mais importante de qualquer e-commerce, não é? O pagamento sempre será a etapa mais delicada de uma jornada e se algo der errado nela (desde a demora na aprovação até coisas mais sérias, como pagamentos em duplicidade) afastará o cliente irreversivelmente.

Toda loja virtual precisa de um gateway de pagamento, sem exceções. Porque não é ela quem pega os dados sensíveis (como os do cartão de crédito, que o cliente preenche na compra) e solicita o valor respectivo às financeiras. É o gateway de pagamento, com o adendo de que todas essas informações são criptografadas, ou seja, o cliente continua sendo o único agente a tê-las.

Como funciona um gateway de pagamento

Primeiramente, é claro, você precisa instalar um gateway na sua loja virtual. Ainda neste artigo eu explico melhor sobre essa parte, então, por enquanto, compreenda o funcionamento da tecnologia depois de sua implementação.

O gateway de pagamento entrará em vigor quando for necessário preencher as informações bancárias ou de cartão de crédito. O cliente as digitará já no ambiente protegido do gateway, que pode ser incorporado ao site ou em uma página externa.

Em seguida, o gateway prossegue com a transação da seguinte forma:

  1. Confirma os dados transacionais com a bandeira do cartão; ou
  2. Confirma os dados transacionais diretamente com a instituição bancária (em caso de pagamentos via boleto, TED ou Pix).
  3. A e B verificam o saldo disponível e se o trâmite é viável. Então, repassam o dinheiro ao gateway de pagamento, que
  4. finalmente repassa o dinheiro à loja.

Sendo assim, a variedade de pagamentos que a loja disponibiliza depende do gateway contratado.

O que são Adquirentes?

Adquirentes no e-commerce são, literalmente, os que processam as transações financeiras. Ou seja, eles fazem a comunicação com a bandeira ou com os bancos emissores.

Opa, mas não era o gateway de pagamento que fazia isso? Sim e não. “Sim” porque o gateway inicia o processo — é quem dá o pontapé inicial. E “não” porque o que o gateway faz é apenas coletar os dados transacionais e passá-los aos adquirentes.

No tópico “como funciona um gateway de pagamento” deste artigo, eu disse que o gateway de pagamento prossegue com a transação confirmando os dados transacionais com a bandeira do cartão, certo? Eles usam adquirentes para isso.

E por que “adquirentes”, no plural? Sabe quando, numa loja física, seu cartão não passa porque a maquininha está sem sinal e, então, o lojista troca de aparelho? Tecnicamente falando, ele troca de adquirente.

Um único gateway pode operar com mais de um adquirente. Dessa forma, se o sinal da Rede, por exemplo, estiver fraco, ele troca por uma da Stone. Ambas são adquirentes. No e-commerce, o gateway faz essa troca automaticamente quando um dos sistemas estiver indisponível. Veja a imagem abaixo!

O que são Subadquirentes?

Subadquirentes são fornecedores que oferecem uma solução unificada de pagamentos para e-commerces. Então, ao contratar um subadquirente, você obtém gateway de pagamento, adquirente e sistema antifraude.

Isso facilita muito o seu lado porque você terá um só ponto focal para desenvolver toda essa área. Você contrata o subadquirente, faz a integração com o seu e-commerce e pronto, sua loja virtual estará pronta para receber pagamentos.

Como se trata de apenas um contrato, digamos assim, qualquer problema com uma das três soluções você resolve com o mesmo suporte.

Praticidade, certo? Mesmo assim, há quem não goste dos subadquirentes e prefira contratar os serviços separadamente, de fornecedores distintos.

O motivo é: manter o controle. Unificar departamentos interligados é algo que pode melhorar do ponto de vista organizacional. No entanto, justamente por só haver um ponto focal que representa várias frentes, fica mais difícil descobrir onde se concentra algum problema de performance.

Em contrapartida, separar a operação trará, apesar de maior quantidade de processos gerenciais para observar, uma visualização macro de todo o processo.

Em outras palavras, você terá mais controle, porque tudo (gateway, adquirência e antifraude) dependerá das suas equipes internas.

Como escolher um gateway de pagamento para sua loja

Existem vários gateways de pagamento disponíveis no mercado. Porém, a escolha depende de vários fatores. A experiência que você quer passar aos clientes é uma delas. O seu nicho e o comportamento da persona e dos concorrentes também pesam.

Mas o resumo da ópera é que o impulsionamento do seu negócio digital depende de variados ajustes, tecnologias e parcerias. O gateway de pagamento é apenas uma delas. Sendo assim, optar pelo gateway A ou B considerando a questão do pagamento isoladamente pode não trazer o resultado que você espera. Se o que você procura é tornar sua operação mais eficiente para poder escalá-la, a conversa está em outro nível. E nós podemos te ajudar.

O que é Chargeback (e qual a diferença com “estorno”)?

Chargeback é a contestação de um pagamento e, portanto, a devolução integral do valor pago. A solicitação parte do cliente ou do banco. Normalmente, as devoluções são feitas na própria fatura do cartão de crédito utilizado, mas em alguns casos o valor pode ser transferido diretamente para uma conta bancária.

Para proteger vítimas de cartões clonados, a lei determina que o prejuízo fique por conta do lojista, que pode ou não receber o produto de volta.

Será possível recuperar a mercadoria caso se configure uma fraude amigável (quando o cartão é utilizado por um familiar ou conhecido sem o consentimento do titular) — já que o produto vai chegar na residência e, portanto, a loja pode retirá-lo.

Já o estorno ocorre quando a decisão de devolver o dinheiro parte da própria loja. Isso acontece quando o produto chega ao cliente com defeito, quando ele se perde durante a entrega, etc.

Isso é feito para não deixar o comprador no prejuízo e, consequentemente, evitar que ele se torne uma má publicidade do seu negócio.

Qual a importância de ter um anti-fraude no e-commerce

De acordo com levantamento da Unico divulgado pelo E-commerce Brasil, “O primeiro semestre de 2022 foi marcado por mais de 2 milhões de tentativas de fraudes de identidade em todo país”.

Além disso, como dissemos na postagem sobre fraudes no e-commerce, há 4 anos que o Brasil é o país com mais tentativas de transações fraudulentas na modalidade.

Outro estudo, dessa vez da Juniper Research, estimou que em 2023 o custo das fraudes aplicadas no comércio eletrônico será de mais de US$48 bilhões em todo o mundo, contra US$41 bilhões em 2022.

O estudo recomenda que as plataformas se tornem intensifiquem seus desenvolvimentos e se tornem cada vez mais robustas. E um caminho para isso pode ser a ampliação do uso da inteligência artificial — para avaliar o histórico de compras, o perfil do cliente e cruzar várias outras informações da Big Data para verificar uma transação.

Ou seja, o avanço da tecnologia e dos meios de pagamento trazem consigo, infelizmente, a evolução nos métodos de fraude.

O futuro dos meios de pagamento

Como a tecnologia está cada vez mais intrínseca na nossa sociedade, a modernização dos meios de pagamento é real. Em um passado não muito distante, usávamos cheques com a maior naturalidade, enquanto as transferências bancárias via TED eram o que tínhamos de mais prático.

Com o 5G chegando a cada vez mais cidades brasileiras, a realidade é que os meios de pagamento via internet estão superando as offline até mesmo em lojas físicas.

Já escrevi um artigo aqui para a Betminds citando algumas tecnologias usadas para pagamentos. Clique aqui se quiser compreendê-las mais profundamente, mas a maioria dos pagamentos digitais são:

  • QR Code: proporcionando segurança e praticidade;
  • Carteira Digital: gerando praticidade e proteção contra fraude;
  • NFC: pagamento por aproximação;
  • Biometria facial: autenticação por selfie;
  • BNPL: Buy Now Pay Later é definido como um botão de pagamento oferecido por uma fintech BNPL que permite ao comprador financiar a compra no ato da compra, com múltiplas formas de pagamento, incluindo cartões de crédito, cartões de débito, cartões baseados em conta transferências ou em dinheiro.
  • Pix: transferências gratuitas, imediatas, em qualquer horário e com apenas um dado (chamado de chave) do receptor.

Tudo isso se relaciona ao assunto deste artigo quando concluímos que a performance da sua loja virtual passa pela disponibilização desses métodos de pagamentos atuais. Mais do que isso: a escolha do gateway deve considerar a vanguarda do mesmo, pois novos canais sempre estão despontando (como a Web3).

Que tal impulsionar o seu negócio com quem é especialista no mercado digital, como a Betminds? Somos uma agência especializada em fazer o seu e-commerce vender mais, de forma escalável. Clique aqui e ganhe um diagnóstico completo para o seu e-commerce!

E para mais artigos, cases e estratégias para se destacar com o seu comércio eletrônico, continue acompanhando o blog da Betminds e se inscreva no The Future Of E-commerce, a newsletter com conteúdos todas as segundas, terças e quintas direto no seu e-mail!

Acompanhe também a Betminds nas redes sociais: nós siga no linkedin e no Instagram.

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

Inovação como alavanca para melhorar a experiência de marca

Neste episódio do Digital Commerce, conversamos com Eduardo Jardim, um dos sócios da Moncloa, marca de chás, infusões, acessórios e produtos de bem-estar

26/9/2023

Como estará o mundo em 2030 e quais serão as macrotendências?

Confira os principais insights do estudo da Fiesp sobre as 8 tendências mundiais para o início da próxima década.

25/9/2023

Digital Commerce - O Evento: Curitiba sedia encontro inovador sobre e-commerce

Evento comemora um ano de Digital Commerce - O Podcast", projeto da Betminds, que tem por objetivo fomentar o comércio eletrônico em Curitiba

18/9/2023