Composable

Composable Commerce: o futuro do e-commerce

Saiba o que é Composable Commerce e como essa tendência pode ajudar o comércio eletrônico, as tecnologias e muito mais.

Navegue pelo texto

Oferecer uma experiência de compra otimizada, diferenciada e personalizada é chave para o sucesso de um e-commerce. Mas como fazer isso com plataformas pouco flexíveis e tão similares entre si? A resposta pode estar no composable commerce.

Baseado em uma estrutura modular, essa é uma abordagem que permite combinar soluções de diferentes fornecedores para criar serviços e recursos sob medida de acordo com a necessidade de cada empresa.

A seguir, vamos entender melhor sobre esse conceito e suas potencialidades. Acompanhe!

O que é Composable Commerce e por que ele está se tornando tendência?

Composable commerce é uma nova abordagem voltada para o e-commerce que se baseia na combinação de diferentes ferramentas e serviços para potencializar as capacidades da loja virtual. A ideia é otimizar a experiência de compra e possibilitar o atendimento dos consumidores em diferentes canais, com mais agilidade e flexibilidade.

O grande diferencial do composable commerce está no fato de que ele combina recursos e serviços de diferentes fornecedores, combinando as melhores funcionalidades. Assim, além da empresa não depender de uma única plataforma, ela pode criar uma solução muito mais robusta e personalizada para atender o público e seus clientes.

Composable Commerce X soluções de e-commerce tradicionais

A grande diferença do composable commerce para as soluções convencionais de e-commerce está na arquitetura.

No modelo tradicional, há a junção dos serviços de front -end, funcionando em uma estrutura rígida desenvolvida e mantida por um mesmo fornecedor. Isso significa que todos os processos de check out, estoque, entre outros, são mantidos sob o guarda chuva de uma mesma solução.

Já no composable commerce opera com uma arquitetura desacoplada, baseada em microsserviços. São pequenos pacotes de funções específicas que podem ser integrados à plataforma de e-commerce utilizada pela empresa, combinando-se.

Como o Composable Commerce pode melhorar a performance de um e-commerce

A adoção da abordagem composable commerce pode trazer benefícios interessantes para os e-commerces, sobretudo ao oferecer uma experiência otimizada tanto para os consumidores quanto para os desenvolvedores da empresa.

Com isso, é possível oferecer recursos e funcionalidades diferenciadas e personalizadas para atrair e envolver os consumidores e garantir sua satisfação.

Isso torna o composable commerce uma ferramenta fundamental para superar a concorrência por meio de diferenciais competitivos; uma loja agora pode oferecer uma experiência totalmente diferente da do seu concorrente.

Outros benefícios que merecem ser citados:

  • Possibilidade de combinar soluções de diferentes fornecedores, incluindo da própria empresa;
  • Combinação dos dados, conteúdo e serviços que o negócio realmente precisa;
  • Descentralização dos sistemas, acabando com a dependia de um único fornecedor;
  • Maior adaptabilidade, com redução do tempo de resposta às demandas do mercado e de lançamento de produtos;
  • Escalabilidade, ao eliminar a rigidez limitante típica de uma arquitetura monolítica e ao fornecer mais flexibilidade para adaptar serviços;
  • Redução de custos com a gestão do sistema e com pessoal por conta da intercambialidade de componentes e da arquitetura modular. A empresa só contrata e só paga os serviços que precisa.

Headless vs Composable Commerce

Embora tenham muitas similaridades, existe uma diferença fundamental entre a arquitetura composable e a arquitetura headless.

Enquanto a segunda isola completamente o front-end do back-end, conectando-os por meio de APIs, no composable commerce trabalha-se com uma arquitetura modular, onde o back-end é dividido em Packaged Business Capabilities (PBCs).

Trata-se de pacotes de microsserviços que possibilitam a criação e implementação de novas aplicações de forma mais flexível. Os PBCs podem ser integrados para aprimorar o e-commerce.

Tecnologia no Composable Commerce

Podemos fazer um paralelo entre o composable commerce e o corpo humano. Nosso organismo precisa de uma quantidade específica de determinados nutrientes.

Muitas vezes, sofremos com a falta de um componente específico, como alguma vitamina ou um mineral. A solução para isso é a suplementação, ou seja, buscar o que está faltando para garantir que nosso corpo tenha tudo o que precisa.

O composable commerce é similar. Ele não se baseia apenas nas funções básicas oferecidas por uma plataforma. Pelo contrário: a empresa busca encontrar o que está faltando para que sua operação seja mais robusta e pode adotar soluções de outros fornecedores para criar uma combinação de conteúdo, dados e serviços que atendam seus clientes da melhor forma.

No caso, tudo isso é feito por meio de APIs, que permitem a integração e a comunicação entre os diferentes recursos. Assim, é possível usar um fornecedor para processar os pagamentos e outro completamente diferente para gerenciar conteúdos, por exemplo.

Além das APIs, o composable commerce também é construído com base em outras três tecnologias:

  • Nuvem: aplicativos cloud native, isto é, criados e pensados para funcionar diretamente em nuvem.
  • Microsserviços: componentes independentes e que possuem interoperabilidade.
  • Arquitetura headless (ou sem servidor): o front-end e o back-end podem operar separadamente.

Implementação do Composable Commerce

Por enquanto, o composable commerce não é uma solução para todos os tipos de e-commerce. É preciso que a empresa analise bem diversos fatores, entre eles:

  • Você precisa de aplicações personalizadas?
  • Você precisa integrar diferentes soluções e aplicações?
  • Isso é essencial, neste momento, para o sucesso da sua loja?

Vale ter em mente que a migração para um modelo composable provavelmente será algo inevitável no curto prazo. Afinal, a transformação digital é inexorável e conforme os grandes players adotarem essa abordagem, se tornará uma necessidade.

Cabe às empresas entenderem o momento e se adaptarem da melhor maneira, pois o composable commerce exige uma transformação interna que não pode acontecer da noite para o dia.

Por fim, as empresas precisam ter uma equipe robusta não só para integrar as diferentes soluções, mas para desenvolver suas aplicações sob medida de acordo com o perfil dos seus clientes.

Desafios e soluções

Para criar experiências únicas e otimizar as operações, os e-commerces precisam de ferramentas e recursos que reduzam a complexidade do seu negócio. Para isso, é necessário considerar todo o ciclo de desenvolvimento e gestão de novas aplicações.

Os sites devem ter ferramentas adequadas para desenvolvê-las e personalizá-las de acordo com a sua necessidade e dos problemas específicos que deseja resolver e que não podem ser tratados com soluções de terceiros.

A integração de todas essas soluções ocorre depois, quando é preciso rever a experiência e garantir que o gerenciamento dessas aplicações seja bem feito.

Inclusive, o assunto foi debatido no último episódio Digital Commerce Podcast, onde conversamos sobre o Vtex Day 2023. Confira o episódio aqui!

Acompanhe também a Betminds nas redes sociais: nós siga no linkedin, no tiktok e no Instagram.

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

Temu: Um Novo Gigante no Comércio Eletrônico

A Temu, pertencente à PDD Holdings, empresa-mãe da Pinduoduo, expandiu rapidamente sua presença, sendo frequentemente comparada com gigantes do e-commerce como Shein, Amazon e Shopee.

28/5/2024

Arezzo&Co anuncia mudança de nome para Azzas 2154 após fusão com Grupo Soma

O novo nome, Azzas 2154, faz referência ao ano 2154, utilizado pelo CEO Alexandre Birman como um lema de visão estratégica e futuro para a companhia, com o slogan ”Arezzo rumo a 2154”.

28/5/2024

VTEX Personal Shopper: O que é e como funciona

Com o aumento da demanda por personalização e atendimento exclusivo, o VTEX Personal Shopper surge como uma inovação essencial para empresas que buscam melhorar o atendimento, aumentar a conversão e reduzir custos operacionais.

24/5/2024