Trends

Entenda como a Skelt está mudando o jogo no mercado de bodycare

Marca curitibana de autobronzeadores aposta na parceria com influenciadores e expansão para o segmento de bodycare para manter atual sucesso

Navegue pelo texto

Inovação não é a primeira palavra que costuma vir à cabeça quando falamos em cosméticos e bodycare. Afinal, aos olhos mais leigos, não há nada de muito novo no que este tipo de produto oferece. Contudo, empresas com modelos de negócio diferentes estão surgindo no mercado para provar que é possível, sim, trazer novidades para este ramo.

É o caso da Skelt Beauty Brands. Lançada em 2017, a empresa curitibana se consolidou como a líder em autobronzeadores no Brasil. No ano passado, conseguiu levantar R$ 30 milhões em uma primeira rodada de investimentos.

Agora a marca, que é nativa digital, lançou recentemente uma linha completa de bodycare, e espera em breve ultrapassar os R$ 100 milhões de faturamento.

Mas, afinal, o que há de inovador surgindo na intersecção entre cosméticos e a comercialização e interação nas plataformas on-line?

Cosméticos, influenciadores e natividade digital

O mercado de cosméticos sempre se adaptou bem às novas demandas de seu público-alvo, e desta vez não está sendo diferente. Mais do que oferecer produtos de qualidade e trazer novidades, as marcas precisam dialogar com sua audiência e estar onde ela está.

Nesse sentido, dois aspectos têm sido importantes para a indústria de cosméticos: as parcerias com influenciadores digitais (o diálogo com a audiência) e ser digital-first (ou seja, dar ênfase aos locais – on-line – em que o público está). E estes foram dois pilares utilizados pela Skelt em seu último lançamento.

No caso da parceria com influenciadores, a empresa resolveu lançar mão de influencers como Julia Tedesco, Rica de Marré e Romana Novais, entre outras, para reforçar a divulgação da nova coleção, que alia tratamento corporal e fragrâncias.

Já em relação às plataformas usadas para a comercialização dos produtos, a Skelt enfatiza que é uma marca nativa digital ou DNVB (Digitally Native Vertical Brand). Ou seja, uma empresa que já nasceu imersa na internet e cujas operações e comunicação com os clientes ocorrem primeira e principalmente por vias on-line.

De acordo com Gabriel Beleze, CEO da Skelt, a natividade digital foi um passo já esperado para a marca. Segundo ele, como é difícil entrar nos grandes players de vendas do mercado no início, foi natural que a empresa começasse pelo e-commerce. Mas isso possibilitou que a marca, em cerca de seis meses, já conseguisse um lugar nos grandes players do segmento, como Drogaria Iguatemi, Panvel etc.

Muitas marcas do setor de cosméticos vêm utilizando a internet para vender. Segundo dados de 2022 do Índice de Produtividade Tecnológica (IPT) de Varejo, 81% dos varejistas deste segmento possuem canais de venda no Instagram e no Facebook

Skelt: primeiros passos, novos investimentos e futuros caminhos

Conforme Gabriel Beleze, CEO da Skelt, a marca surgiu visando trazer produtos corporais como autobronzeador e maquiagens corporais de alta qualidade para o público brasileiro. A ideia surgiu a partir da necessidade do próprio Gabriel, que era usuário de autobronzeadores, mas não encontrava no mercado nacional produtos de qualidade com preço acessível.

Gabriel afirma que essa necessidade também está alinhada com o mercado do Brasil, uma vez que o público brasileiro gosta de estar bronzeado. Porém, ao mesmo tempo, está cada vez mais consciente dos perigos da exposição solar sem os devidos cuidados.

Nesse sentido, o CEO da marca sentiu que havia a falta de um produto de qualidade que preenchesse esta lacuna. Foram anos de desenvolvimento até que se chegasse à fórmula, lançada no formato de mousse corporal. A alta qualidade e durabilidade (o bronzeado proporcionado pelo produto se mantém por até 12 dias) são pontos inovadores da marca em relação à concorrência.

Foto: Divulgação/Forbes - Luiz Romancini e Gabriel Beleze, os fundadores, e Henrique Beleze, COO do grupo Skelt

De acordo com Gabriel, por já lidar com produtos para a pele, a expansão para o segmento de bodycare foi um próximo passo natural para a marca. Novamente, a combinação de fatores de qualidade (durabilidade, bons ingredientes, boas fragrâncias e bons resultados) foi um aspecto fundamental para o investimento nesse ramo específico. A inovação está no DNA da marca.

“Além de trazermos o benefício do produto, como nossos hidratantes, com uma fragrância super sofisticada, sempre oferecemos um ativo que vai tratar o corpo [do usuário], como ácido hialurônico, niacinamida, fitocolágeno”, conta o CEO da Skelt.

Segundo Gabriel, a marca ainda cogita lançar entre três e cinco produtos nesta nova categoria até o início de 2024. Com isso, a Skelt deseja se consolidar também no segmento de corpo e fragrâncias, trazendo mais produtos que vão participar do dia a dia do seu público-alvo.

Saiba mais sobre o assunto!

Em abril, o Digital Commerce - o Podcast recebeu Anelise Stigar, Head de Marketing da Skelt, e Felipe Cercal. Head de Marketing da Creamy, pra falar "Por que DNVBs crescem exponencialmente?" Confira o episódio abaixo na íntegra ou se preferir clique no link para escutá-lo diretamente no spotify, clicando aqui!

Acompanhe também a Betminds nas redes sociais: nós siga no linkedin, no tiktok e no Instagram.

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

Temu: Um Novo Gigante no Comércio Eletrônico

A Temu, pertencente à PDD Holdings, empresa-mãe da Pinduoduo, expandiu rapidamente sua presença, sendo frequentemente comparada com gigantes do e-commerce como Shein, Amazon e Shopee.

28/5/2024

Arezzo&Co anuncia mudança de nome para Azzas 2154 após fusão com Grupo Soma

O novo nome, Azzas 2154, faz referência ao ano 2154, utilizado pelo CEO Alexandre Birman como um lema de visão estratégica e futuro para a companhia, com o slogan ”Arezzo rumo a 2154”.

28/5/2024

VTEX Personal Shopper: O que é e como funciona

Com o aumento da demanda por personalização e atendimento exclusivo, o VTEX Personal Shopper surge como uma inovação essencial para empresas que buscam melhorar o atendimento, aumentar a conversão e reduzir custos operacionais.

24/5/2024