Dados do mercado

Os principais insights do Webshoppers edição 45

O Webshoppers, um dos levantamentos de maior credibilidade sobre o comércio eletrônico brasileiro, chega à sua 45ª edição e revela insights importantes.

Produzido desde 2001, o Webshoppers, um dos levantamentos de maior credibilidade sobre o comércio eletrônico brasileiro, chega à sua 45ª edição e revela insights importantes para as atividades do seu e-commerce em 2022. Para início de conversa, o relatório, elaborado pela NielsenIQ|Ebit em parceria com a Bexs Pay, traz um dado otimista e repleto de oportunidades: em 2021, as vendas on-line cresceram 27% em comparação com o ano anterior – totalizando R$ 182,7 bilhões de faturamento. 

Por essas e outras razões, vale muito a pena se apropriar dos insights do Webshoppers edição 45 para traçar o planejamento estratégico do seu e-commerce. Desde o início da pandemia, o comércio eletrônico vive um boom e os números não param de crescer. Em um mercado de inúmeras possibilidades, mas altamente competitivo, é preciso se antecipar aos concorrentes e apresentar boas soluções. 

No ano passado, o ticket médio geral das vendas chegou a R$ 441, ou seja, um aumento de 4% em relação a 2020. É importante observar que 12,9 milhões de consumidores fizeram compras on-line pela primeira vez em 2021. Esse grupo, inclusive, gastou um valor médio superior aos demais usuários, chegando a R$ 454. Esses números devem se expandir ainda mais neste ano.

Fundamental para a compreensão e desenvolvimento do setor de comércio eletrônico, o relatório Webshoppers é um espécie de “GPS” para a sua loja virtual. Além de uma visão abrangente sobre o cenário atual do mercado, o estudo traz tendências, estimativas, mudanças de comportamento e as preferências dos consumidores. Aproprie-se dessas informações e mãos à obra!

Tenha no seu radar alguns dos principais insights do Webshoppers edição 45

1. E-commerce brasileiro teve um crescimento expressivo no primeiro semestre de 2021

Na comparação com o primeiro semestre de 2020, o comércio eletrônico brasileiro cresceu 41% em vendas no ano passado – sobretudo entre os meses de janeiro e abril. Entre outras questões, o dado sugere uma atenção especial a datas como a Semana do Consumidor, Páscoa e Dia das Mães, que têm trazido expressivos resultados de negócios. No segundo semestre de 2021, o e-commerce teve uma expansão de 17% em relação a 2020. 

2. Categoria de Alimentos e Bebidas se destaca em 2021

Um hábito se consolidou em 2021 e deve se tornar tendência em 2022: o brasileiro está utilizando com bastante frequência as plataformas digitais para fazer compras de mercado. No ano passado, a categoria Alimentos e Bebidas teve um crescimento de 107%, em comparação com 2020, no volume de pedidos. 

Só para se ter uma ideia, o resultado foi muito superior às categorias  Bebê & Cia (34%), Construção & Ferramentas (31%) e Informática (24%). É muito importante ficar atento a esse quesito!

Vale a pena registrar ainda que os produtos de giro rápido comercializados principalmente em mercados, também chamados de FMCG,  tiveram um crescimento de 41,1% em 2021. Em 2020, foi de 17,2% em relação a 2019. Destacaram-se nesse segmento:  Hortifrutigranjeiros (119,4%), Sobremesas & Confeitaria (50,8%), Bombonière (48,9%), Matinais (29,2%) e Mercearia (22,7%). 

Dica: de acordo com o relatório, praticidade e preços especiais são os principais motivadores de compra para os usuários de apps de delivery de supermercado.

3. Mobile intensifica sua presença no e-commerce em 2021

Em 2021, o celular se consolidou  como o principal meio para compras on-line dos brasileiros. Prova disso é que os dispositivos móveis foram responsáveis por 59% de todos os pedidos realizados nas lojas virtuais (239,6 milhões). No quesito vendas, 53% foram realizadas nessa modalidade (contabilizando R$ 95,4 bilhões), um crescimento de 32% em relação a 2020. 

4. Crescimento exponencial do e-commerce cross-border

Os brasileiros expandiram as fronteiras de compras em 2021. O e-commerce cross-border, aquele realizado com lojas on-line de outros países, obteve um crescimento de 60% no faturamento em comparação com 2020 – totalizando R$ 36,2 bilhões. De acordo com os organizadores do relatório, os números provam o desejo do consumidor de obter produtos estrangeiros. 

Para os responsáveis pelo relatório Webshoppers edição 45, o brasileiro quer aproveitar as oportunidades de compra e a variedade de itens. Fora isso, a possibilidade de pagamento via Pix e boleto, por exemplo, tem incrementado o interesse pelas compras internacionais on-line. Estima-se que esse volume cresça ainda mais nos próximos anos.

5. Frete grátis é um diferencial

Não tenha dúvida: o frete grátis é um fator poderoso de atração de consumidores para o seu e-commerce. Em 2021, o número de pedidos sem custo de envio aumentou 10% em relação ao ano anterior – chegando a 47% do total. 

De posse dos principais insights do Webshoppers edição 45, é possível desenvolver campanhas e outras ações relevantes para garantir a boa atuação do seu e-commerce. Lembre-se: o bom planejamento e as melhores estratégias fazem a diferença sempre. Boas vendas!

Esperamos que esse post tenha ajudado você a entender quais são os principais insights do Webshoppers edição 45 para analisar e implantar ações na sua loja virtual.  Para mais artigos e mais estratégias para se destacar com o marketing digital, continue acompanhando o blog da Betminds!

E se você precisa de ajuda para desenvolver estratégias para sua empresa e melhorar suas vendas, fale com a gente!

Acompanhe a Betminds nas redes sociais: curta a página no Facebook, siga no Instagram.

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

Ações de marketing para Black Friday: 10 dicas para faturar bem

Separamos 10 ações de marketing para Black Friday para você pôr em prática no seu e-commerce.

22/9/2022

Estratégias de growth hacking para e-commerce

Esses processos giram em torno de um ciclo que se repete o número de vezes necessário para um projeto atingir os números desejados

26/9/2022

5G no e-commerce e nas relações de consumo do varejo

A nova tecnologia promete impactar uma série de outros setores da economia, interligando serviços e dispositivos e tornando as cidades mais inteligentes

20/9/2022