Marketplaces

É possível ter branding em lojas que vendem em marketplaces?

Entenda como funciona o branding em marketplaces e veja estratégias para aplicá-lo na prática.

Navegue pelo texto

Os marketplaces são muito fortes junto aos consumidores. Segundo uma pesquisa da Opinion Box, 47% dos consumidores confiam mais nestes canais de venda do que nos mecanismos de busca, como Google e Bing. E no Brasil esse cenário não é diferente.

Isso faz com que os marketplaces tenham forte influência nas vendas do e-commerce, uma vez que os compradores sentem-se mais seguros ao encontrar um produto nestas plataformas.

Mercado Livre, Magalu, Submarino e, mais recentemente, as asiáticas Shopee e Schein fazem parte da rotina de compras do brasileiro na internet. Em 2022, o mercado de marketplaces cresceu 3% no País, de acordo com a ABComm. Ao todo, foram mais de R$ 135 bilhões em vendas na última década.

Para o e-commerce, os marketplaces representam uma vitrine que leva às empresas a públicos que, de outra forma, elas provavelmente não alcançariam. E não se trata apenas de visibilidade, mas também de praticidade. Isso porque as plataformas ficam responsáveis pela experiência do usuário e por todos os gastos e infraestrutura necessária para realizar as vendas.

Mas nem tudo são flores. Os marketplaces se tornaram canais de venda saturados e extremamente concorridos. Isso faz com que seja necessário trabalhar estratégias para superar os competidores e de fato aparecer para as pesquisas do usuário.

A personalização, aspecto tão importante atualmente, também sai perdendo, já que os lojistas não podem criar uma identidade própria.

Felizmente, esses desafios podem ser superados por meio do branding nos marketplaces. Essa abordagem ajuda a criar uma relação de proximidade com os consumidores, mesmo dentro das limitações das plataformas.

Introdução ao Branding em Marketplaces

Principalmente na internet, o branding é essencial para o sucesso de um negócio. Mas do que se trata exatamente? Por branding podemos entender todas as medidas colocadas em prática para tornar a marca reconhecível, com uma identidade única.

E não falamos apenas de elementos visuais. Isso também envolve o posicionamento da marca e seus valores, o que inclui o tom de voz e a forma como a empresa busca despertar sentimentos e sensações. O objetivo é criar uma relação emocional com os consumidores e, assim, conseguir retê-los, evitando que eles vão para a concorrência.

O branding nos marketplaces segue a mesma lógica. Porém, como comentamos, com algumas restrições. O que se busca nesses canais é, mesmo sem uma parte visual personalizável, gerar uma relação de confiança com os compradores, deixando-os mais seguros para tomar a decisão de compra.

Em um ambiente tão competitivo, saturado e com espaço tão limitado, é o branding que permite aos lojistas se destacarem. Afinal, com produtos semelhantes exibidos de forma parecida, o que leva um consumidor a escolher?

Mesmo que os marketplaces limitem a personalização dos espaços de cada lojista, há elementos que podem transmitir a identidade da marca e estabelecer essa conexão que comentamos.

Desafios do branding nos marketplaces

Embora já tenhamos citado alguns, é importante destacar os principais obstáculos enfrentados pelos lojistas para desenvolver seu branding nos marketplaces:

Concorrência

Os marketplaces são um espaço infinito de vendedores. E, em muitos casos, eles oferecem produtos semelhantes. Às vezes, com preços muito parecidos. Isso faz com que se destacar neste ambiente seja bastante difícil, sobretudo para empresas menores.

Personalização

O que prevalece é a identidade visual do marketplace. Ou seja, praticamente não há alternativas para personalizar as páginas dos produtos; muitas vezes, até os anúncios possuem bastantes limitações.

Reputação

Os consumidores confiam mais nos marketplaces. Mas isso não significa que eles confiem em todos igualmente. A reputação da plataforma impacta diretamente os lojistas.

Se uma empresa teve um problema público recente ou tem uma imagem ruim junto ao público, as chances são menores de que os consumidores confiem nos produtos que estão anunciados.

Como maximizar o branding nos marketplaces

Esses desafios não devem ser encarados como entraves. Existem estratégias que ajudam a criar uma identidade para a marca dentro dessas plataformas e a gerar uma conexão com o consumidor.

Algumas delas:

Perfil

Embora os diferentes marketplaces ofereçam possibilidades distintas, é preciso aproveitar ao máximo cada abertura para personalizá-los. Uma delas é a página de perfil da loja.

Muitos lojistas cometem o erro de não se atentar a esses espaços, e a falta de informação pode gerar desconfiança no consumidor. Isso posto, é importante que as empresas aproveitem este espaço e coloquem informações relevantes, destacando o que a marca tem de mais importante.

Páginas de produtos

A imagem e a descrição dos produtos são outro ponto de transmissão de confiabilidade e personalização importante. Quem já visitou um marketplaces sabe a diferença que é se deparar com uma página com diferentes imagens do produto e uma descrição completa e outra que possui uma foto de baixa qualidade e nenhuma informação.

A descrição dos produtos deve ser bem trabalhada. Isso porque não é só um espaço para colocar a identidade da marca, mas também para trabalhar outras estratégias para aumentar a visibilidade da loja, como as técnicas de SEO.

Feedbacks

Segundo levantamento do Grupo Consumoteca, 80% dos consumidores brasileiros acreditam ser importante que a marca ou produto tenha avaliações positivas de outros compradores.

Esse dado mostra como a reputação é importante. Por isso, os lojistas devem ter estratégias para solicitar feedbacks para seus clientes. Mensagens no WhatsApp, e-mails ou até chamadas na página dos produtos podem funcionar.

Proposta de valor

Em todos os conteúdos com os quais o consumidor terá contato, é preciso que a marca reforce seus pontos fortes e diferenciais. Nas páginas dos produtos e nas peças de comunicação, por exemplo, é possível usar provas sociais, como prints de avaliações positivas de outros clientes.

Atendimento

Diante de tantas ofertas, o atendimento pode ser o que faz a diferença. As empresas devem oferecer suporte eficiente e o mais personalizado possível. Esse é um aspecto fundamental do branding, ajudando na conexão emocional e na satisfação do consumidor, muitas vezes antes mesmo de ele se tornar um cliente.

Embalagens

Reforçar a marca sempre que possível. Esse é um dos mandamentos do branding. Então, na hora de enviar os produtos, é importante aproveitar a oportunidade e despachá-los em embalagens com a identidade visual da marca. O simples fato de usar uma fita adesiva com a logomarca já pode deixar uma impressão mais positiva nos clientes.

Então, é possível fazer branding nos marketplaces?

Como vimos, embora haja dificuldades, restrições e limitações, é possível trabalhar o branding nos marketplaces. Esses canais seguem sendo importantíssimos para o e-commerce, dando visibilidade e expondo a marca a um público mais amplo e diferenciado.

O branding é fundamental para se diferenciar em um mar de opções. Medidas simples como caprichar na descrição dos produtos para colocar o tom de voz e identidade da marca já podem marcar a diferença na decisão de compra do cliente.

E se você precisa de ajuda para desenvolver estratégias para a sua empresa e melhorar as suas vendas, fale com a gente!

Acompanhe também a Betminds nas redes sociais: nos siga no linkedin, no tiktok e no Instagram

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

VTEX Pick and Pack: Como expandir sua operação omnichannel

Desenvolvida pela VTEX, essa ferramenta é projetada para otimizar todas as etapas da logística de pedidos, desde a coleta até a entrega final. Saiba mais!

23/4/2024

FastStore: A Solução VTEX para Construir Lojas Virtuais de Alto Desempenho

Neste artigo, vamos explorar em detalhes o que é o FastStore, suas principais características, vantagens e como ele pode transformar o desempenho do seu e-commerce. Confira!

23/4/2024

Como criar parcerias estratégicas para vender mais com o Digital

Neste episódio do Digital Commerce, conversamos com Mariana Ponzini de Azevedo, da Red Bull, sobre gestão de pessoas e estratégias de e-commerce para a indústria.

23/4/2024