Trends

IA: 75% dos brasileiros esperam alguma substituição profissional

'Operadores de telemarketing', 'caixas de supermercado' e 'atendentes de call center' estão entre as atividades mais citadas

Navegue pelo texto

A ascensão de ferramentas de Inteligência Artificial (IA) dentro do mercado de trabalho já torna possível imaginar um futuro em que elas assumirão atividades desempenhadas hoje por seres humanos.

Uma pesquisa da plataforma Onlinecurrículo com 700 brasileiros mostra que sete em cada dez deles (75%) esperam que ao menos algum tipo de profissão seja substituída por mecanismos por IA no futuro próximo.

A percepção geral, porém, é que essas novas tecnologias não tomarão conta totalmente dos empregos: para 47% dos ouvidos, a IA assumirá, na verdade, o papel somente de alguns trabalhos que hoje são desempenhados por pessoas. Outros 27% dizem, porém, que essa substituição afetará várias profissões.


Amanda Augustine, especialista em carreiras da Onlinecurriculo, acredita que a pesquisa reflete a primeira impressão comum que se tem sobre as potencialidades da Inteligência Artificial. “Sempre que uma nova tecnologia emerge no cenário mundial, é natural questionar seus efeitos no mundo do trabalho,. Aconteceu a mesma coisa quando a Internet chegou ao grande público, algumas décadas atrás”, explica ela.

É verdade que a IA tem capacidade de assumir algumas atividades, embora essa escala não seja tão definida no cenário atual. Talvez seja melhor pensar em como a tecnologia disponível tem condições de fazer com que as diversas profissões se aperfeiçoem”, continua.


Essa também parece ser a percepção de boa parte da população: 41% dos entrevistados disseram, por exemplo, que ferramentas capazes de simplificar tarefas hoje rotineiras seriam bem-vindas em seus postos de trabalho.

Outros 30% responderam que gostariam de ter dispositivos à mão para resolver problemas do dia a dia.

Mesmo profissões que dependem de critérios subjetivos para suas atividades, como criatividade, por exemplo, admitiriam colaborações automatizadas. No estudo da Onlinecurrículo, 39% das pessoas afirmaram que precisariam de dispositivos para ajudá-las a criar conteúdos de qualidade – como textos, por exemplo.

“Se a adoção da Inteligência Artificial resolver necessidades como essas, presentes nas empresas e na vida dos profissionais, então ela terá menos esse papel de substituição e mais de colaboração”, analisa Amanda Augustine. “Encontrar esse equilíbrio é o mais importante agora”, completa.

Profissões mais arriscadas

Desde o início do ano, quando o ChatGPT, da startup norte-americana OpenAI, entrou na agenda pública, muitas listas de empregos possivelmente ameaçados pela nova tecnologia surgiram nos meios de comunicação.

Em março, o próprio ChatGPT foi provocado a produzir sua relação – e respondeu com 80 profissões que poderiam ser, de fato, substituídas por ele. Entre elas, apareceram trabalhos como o de tradutor, designer gráfico, assistente financeiro, fotógrafo, contador e corretor de imóveis.

Os brasileiros, porém, observam que as atividades que correm mais risco são as que lidam com o atendimento ao público. Para a maioria (69%) das pessoas, a Inteligência Artificial vai assumir o trabalho dos operadores de telemarketing em breve.

Outra profissão vista como ameaçada é de a operador de caixa, citada por 68% dos entrevistados.

Aparecem com força na pesquisa ainda profissões como operários de fábrica (39%) e analistas de dados (38%).

Na contramão, profissões como motoristas de caminhão (14%), professores (12%), advogados (8¨%), jornalistas (7%) e médicos (6%) estão, no imaginário dos brasileiros, mais protegidas.

“Importante ressaltar que a ideia comum de que trabalhos de menor valor agregado são mais suscetíveis à IA não se sustenta, porque, na verdade, muito das potencialidades dela está em realizar tarefas complexas – hoje feitas por cargos de analistas e diretores”, observa Augustini.

A Onlinecurrículo ouviu 700 pessoas de diversos segmentos produtivos, faixas etárias, classes sociais e regiões do país entre os dias 14 e 21 de junho de 2023. A margem de erro da pesquisa é de 3.7 pontos porcentuais.


Acompanhe também a Betminds nas redes sociais: nos siga no linkedin, no tiktok e no Instagram.

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

Temu: Um Novo Gigante no Comércio Eletrônico

A Temu, pertencente à PDD Holdings, empresa-mãe da Pinduoduo, expandiu rapidamente sua presença, sendo frequentemente comparada com gigantes do e-commerce como Shein, Amazon e Shopee.

28/5/2024

Arezzo&Co anuncia mudança de nome para Azzas 2154 após fusão com Grupo Soma

O novo nome, Azzas 2154, faz referência ao ano 2154, utilizado pelo CEO Alexandre Birman como um lema de visão estratégica e futuro para a companhia, com o slogan ”Arezzo rumo a 2154”.

28/5/2024

VTEX Personal Shopper: O que é e como funciona

Com o aumento da demanda por personalização e atendimento exclusivo, o VTEX Personal Shopper surge como uma inovação essencial para empresas que buscam melhorar o atendimento, aumentar a conversão e reduzir custos operacionais.

24/5/2024