Trends

5 principais metas das empresas de D2C

Veja quais são os principais objetivos que devem ser perseguidos por empresas Direct to Consumer (D2C) e como alcançá-los.

Navegue pelo texto

A pandemia trouxe grandes mudanças para o mercado e, uma vez passada a crise, novos desafios surgem e antigos obstáculos voltam a aparecer. Para as empresas D2C (Direct to Consumer), isso exige uma remodelação das suas metas, visando a manutenção da sua competitividade e, em última instância, a sua sobrevivência no mercado.

As vendas Direct-to-Consumer (DTC) referem-se ao modelo em que os fabricantes vendem seus produtos diretamente aos consumidores finais. Esse processo é realizado por meio de plataformas digitais, que podem ser uma loja online própria da marca ou um marketplace.

Neste tipo de comércio eletrônico, os produtores eliminam a necessidade de intermediários, distribuidores ou varejistas para disponibilizar seus produtos no mercado. Isso permite um acesso direto ao público-alvo, aumentando a visibilidade da marca e o contato direto com os consumidores.

A seguir, listamos 5 metas que todo negócio D2C deve ficar de olho e correr atrás nos próximos meses. Acompanhe!

1. Aproveitar novas oportunidades de mercado

Os desafios no varejo não deixam de existir; eles apenas se renovam e voltam a se apresentar diante das empresas. E isso vale também para as tendências de mercado.

A pandemia marcou uma ruptura na normalidade do mercado, impulsionando alguns setores e afundando outros. Porém, isso passou. Novamente teremos uma mudança no comportamento do consumidor e do próprio mercado, o que fará com que as mesmas tendências de antes da crise voltem como desafios para as empresas superarem uma vez mais.

Dito isso, uma das tendências mais fortes é o omnichannel. Os consumidores querem uma experiência fluida e personalizada, independentemente dos canais que escolherem. Muitos vão começar sua jornada em um canal e finalizá-la em outra. E as empresas precisam estar preparadas para atendê-los dessa forma.

O mesmo vale para novos formatos. O maior exemplo dos últimos anos provavelmente é o live shopping, fenômeno que explodiu durante a pandemia.

2. Criar propostas de sucesso de produtos e serviços

Diante de tantas opções e de uma concorrência tão acirrada, muitos consumidores se importam mais com a forma como os produtos são vendidos do que com as próprias mercadorias. Ou seja, o que vale é a experiência.

É preciso encontrar o equilíbrio entre disponibilizar o produto certo, na hora certa, no canal certo e no preço que atraia o cliente no momento mais adequado.

Muitas empresas que trabalham no mercado D2C exploram modelos como assinaturas mensais e clubes de assinatura. Isso tem a ver com atender demandas latentes.

Os clubes de vinhos podem ser usados como exemplo. Muitos consumidores não querem/não sabem escolher um vinho no mercado, muito menos na internet. Porém, essas mesmas pessoas podem se sentir mais à vontade para fazer uma assinatura mensal e receber duas ou quatro garrafas em casa com a curadoria de um site especializado.

E esse é só um caso. Outro exemplo é o crescimento da preocupação com a sustentabilidade. Então, embalagens recicláveis e/ou recicladas, redução das emissões na entrega, reaproveitamento de resíduos, entre outros, são exemplos de medidas que podem agradar clientes preocupados com o meio ambiente.

3. Vender em qualquer lugar com consistência e valor

Da mesma forma que é preciso atender os clientes em qualquer plataforma que eles estejam e independentemente do caminho que eles escolham, é necessário adotar as tecnologias certas para atender a essas demandas.

Inovações surgem a todo instante. A bola da vez é a inteligência artificial, que permite automatizar uma série de tarefas e, assim, reduzir custos. Outras medidas mais simples, como compras com um clique, compras diretas nas redes sociais (inclusive WhatsApp), live shopping e carteiras digitais também podem marcar um diferencial.

4. Criar fidelidade expandindo a jornada do cliente além das vendas

A fidelização é outro ponto marcante no mercado atual. Novamente, isso se dá devido à variedade de opções que o consumidor tem à sua disposição. Por isso, ressaltamos a questão da experiência; nem sempre é o preço que vai ser o fator de maior peso na decisão de compra.

A meta, porém, é ir além da experiência de compra. O pós-venda é fundamental quando se pensa em reter e fidelizar os clientes. Para isso, é preciso fazer um esforço para atender (e superar) as expectativas dos compradores logo na primeira vez. Se não, algum concorrente o fará.

E, hoje, boa parte desse encantamento passa pelo pós-venda, o que inclui suporte ao cliente ao longo de todo o ciclo de vida do produto, bem como atendimento e personalização.

Este ponto tem ainda outra intersecção com outro aspecto que já citamos: o omnichannel. O pós-venda também tem que ser multicanal - e, preferencialmente, 24 horas. É necessário combinar canais tradicionais e digitais e facilitar a vida do cliente, inclusive no que se refere a cancelamentos e trocas.

5. Migrar para uma estratégia digital e preparar a empresa para o futuro

Dados são o principal insumo do mercado atual. Uma estratégia digital eficaz é aquela que se baseia em informações reais e concretas para melhorar a tomada de decisões e facilitar a obtenção de insights em prol do negócio.

As empresas que não sabem trabalhar com dados estão condenadas a serem superadas. Preparar o negócio para o futuro envolve adotar tecnologias nas mais diferentes frentes. A ideia é melhorar desde a experiência de compra à mensuração da satisfação do cliente (por meio de Net Promoter Score - NPS -, por exemplo).

É importante: quando falamos de uma estratégia digital, não se trata apenas de usar canais on-line. É preciso definir KPIs e monitorar constantemente o desempenho de cada canal e campanha (dados!) para identificar oportunidades de melhoria e expansão, bem como gargalos e falhas.

Vantagens do D2C para a Indústria

O modelo Direct-to-Consumer (D2C) oferece várias vantagens tanto para a indústria quanto para os consumidores. Aqui estão cinco benefícios chave para cada lado:

Controle Sobre a Marca e a Experiência do Cliente: A indústria pode gerenciar diretamente como a marca é apresentada e como os clientes interagem com seus produtos, garantindo uma experiência de marca consistente.

Acesso Direto aos Dados do Cliente: Vender diretamente aos consumidores permite coletar dados valiosos sobre preferências e comportamentos de compra, que podem ser usados para otimizar estratégias de marketing e desenvolvimento de produtos.

Maior Margem de Lucro: Ao eliminar intermediários, a indústria pode obter margens de lucro maiores, já que não há necessidade de compartilhar uma porção dos lucros com varejistas ou distribuidores.

Rapidez na Adaptação ao Mercado: O modelo D2C permite uma resposta mais rápida às mudanças do mercado e às tendências dos consumidores, facilitando a adaptação e a inovação.

Construção de Relacionamentos Diretos com os Consumidores: Isso possibilita um engajamento mais significativo e a construção de lealdade à marca, oferecendo uma oportunidade para um serviço ao cliente personalizado.

Vantagens do D2C para o Consumidor

Preços Potencialmente Mais Baixos: A eliminação de intermediários pode resultar em preços mais baixos para os consumidores, já que a economia de custos da indústria pode ser repassada para os preços finais.

Produtos Mais Personalizados: A interação direta com a indústria permite que os consumidores tenham acesso a produtos mais personalizados ou exclusivos.

Melhor Experiência de Atendimento ao Cliente: Com a indústria gerenciando diretamente a relação com o cliente, geralmente há um melhor suporte e atendimento ao cliente.

Acesso Direto às Últimas Inovações e Produtos: Os consumidores têm acesso imediato aos lançamentos e às últimas inovações sem atrasos causados por cadeias de distribuição.

Conexão Mais Forte com a Marca: Comprar diretamente do fabricante pode criar uma sensação de conexão e lealdade à marca, melhorando a experiência geral de compra.

Em resumo, o modelo D2C beneficia a indústria ao oferecer maior controle, eficiência e margem de lucro, enquanto oferece aos consumidores preços mais competitivos, produtos personalizados e uma melhor experiência de compra

Desafios do D2C

O modelo Direct-to-Consumer (D2C) oferece várias oportunidades para as empresas, mas também apresenta desafios únicos. Aqui estão alguns dos principais desafios associados ao modelo D2C:

Gestão da Logística e da Cadeia de Suprimentos: No modelo D2C, a responsabilidade pela logística e gestão da cadeia de suprimentos recai inteiramente sobre a empresa. Isso inclui armazenamento, embalagem, envio e gestão de inventário, que podem ser complexos e caros, especialmente para empresas que estão acostumadas a depender de distribuidores.

Necessidade de uma Estratégia de Marketing Eficaz: As empresas D2C precisam desenvolver e implementar suas próprias estratégias de marketing e publicidade para alcançar seus clientes. Isso pode ser um desafio, especialmente para aquelas que não possuem experiência prévia em marketing direto ao consumidor.

Concorrência Intensa: O mercado D2C está se tornando cada vez mais saturado, com muitas empresas competindo pela atenção dos consumidores. Isso requer que as marcas se destaquem com produtos únicos, preços competitivos e estratégias de marketing inovadoras.

Construção e Manutenção de Relacionamento com o Cliente: Manter um relacionamento direto com os clientes exige um esforço contínuo e recursos dedicados. Isso inclui fornecer excelente atendimento ao cliente, gerenciar interações nas mídias sociais e manter os clientes engajados com a marca.

Investimento em Tecnologia e Infraestrutura Digital: Para operar com sucesso no modelo D2C, é necessário investir em uma infraestrutura digital robusta, incluindo um site de e-commerce, sistemas de gestão de relacionamento com o cliente (CRM), análise de dados e tecnologia de segurança cibernética.

Adaptação às Mudanças do Mercado e às Tendências dos Consumidores: As empresas D2C precisam estar constantemente atentas às mudanças no mercado e nas preferências dos consumidores, adaptando-se rapidamente para permanecerem relevantes e competitivas.

Gestão de Feedback e Reclamações dos Clientes: Lidar diretamente com feedback e reclamações dos clientes pode ser desafiador, exigindo sistemas eficazes de atendimento ao cliente e uma abordagem proativa para resolver problemas.

Cumprimento de Normas e Regulamentos: Empresas D2C devem cumprir todas as normas legais e regulamentações relacionadas à venda direta ao consumidor, o que pode variar significativamente dependendo do produto e da região geográfica.

Enfrentar esses desafios requer um comprometimento com a inovação contínua, a excelência operacional e um forte foco no cliente. As empresas que conseguem superar esses obstáculos muitas vezes encontram sucesso significativo no modelo D2C.

-
E se você precisa de ajuda para desenvolver estratégias para a sua empresa e melhorar as suas vendas, fale com a gente!

Acompanhe também a Betminds nas redes sociais: nos siga no linkedin, no tiktok e no Instagram.

Últimos conteúdos

ver mais conteúdos

VTEX Vision Spring '24: Confira todas as novidades da plataforma

Neste ano, a empresa revelou uma série de novidades focadas em AI, novas soluções de produto, e melhorias significativas na plataforma. Vamos conferir?

24/5/2024

Certificação de patentes também é necessário para garantir segurança digital de e-commerces

Repetição de domínios sem suporte legal pode tirar sites do ar e impedir vendas na internet

24/5/2024

A profissão que poderá gerar 90 mil vagas de emprego por ano no Brasil e não é do setor de tecnologia!

Professor da Strong Business School prevê alta demanda de profissionais nos próximos anos. Saiba mais!

21/5/2024